Do interior para uma cidade maior

Olá pessoas, como vocês estão?

Quem viveu numa cidade do interior sabe como é muito transcendental ir morar numa cidade maior e perceber que nela há coisas que você nunca veria no interior, a propósito paulistanos, quando eu falo de cidade do interior, é cidade do interior mesmo, daquela cidade de 5 mil habitantes em que um escândalo vira pauta na cidade por semanas, em que você sabe o nome de todo mundo e todo mundo sabe o seu nome, em que você sente o cheiro de merda de boi, porco e de cavalo que fica no asfalto quando os mais colonos que nós (sim, isso existe) passam pela cidade com o carro de boi. Aquela cidade que há um colégio grande e todo mundo o conhece como Colegião, pois é o único colégio público que tem todas as séries, do fundamental até o médio, aquela cidade em que a festa junina da escola e o 7 de setembro são um dos maiores eventos do ano.

Photo by Bhavya Shah on Unsplash

Pois bem, ao completar os meus 14 anos, viemos morar numa cidade maior, ok, ela não é tão grande, mas para quem saiu de uma cidade de 5 mil habitantes para uma de 100 mil, é um grande impacto. Portanto meu lado colono se impactou com tantas coisas diferentes que eu não via, até as mais simples como viadutos, ou um shopping e saber que agora eu não precisaria levar uma 1 hora de carro para visitar um cinema, apenas 15 minutos, saber que na cidade há uma lan house que na época pegava 400kb/s, enquanto que no interior era 50kb/s e olhe lá, isso quando não era discada, mas aí isso é um bom tempo atrás, sim, pasmem, eu peguei internet discada em que eu levava uma semana para baixar o filme do Pokémon com a pior qualidade no tamanho de 700mb, mas era o que tinha e eu me contentava com aquilo. Outra coisa que me chamava muito atenção era as bancas de revista, ter um local em que era possível comprar álbum de figurinha e HQs era de outro mundo, você precisava ter visto quando eu descobri a sebo, depois que eu a encontrei, nunca mais consegui sair de lá, praticamente criamos um laço de amizade em que ela me mostra livros que pessoas compraram e se desfizeram enquanto sussurra no meu ouvido: olha isso aqui, acredita que o fulano se desfez dessa obra prima, na internet está o triplo do preço, porque você não leva?

Aí não vejo outra opção a não ser levar, é cada coisa interessante que se encontra lá.

Algumas coisas também assustam na cidade grande, como loucos que saem gritando na rua porque estão bêbados, a possibilidade de se perder em um bairro por não conhecer muito bem a cidade, mendigos pedindo esmola o tempo todo, funcionários de comércio querendo te vender alguma coisa a todo tempo, praticamente suplicando para que você faça um plano de saúde alheio que não faz nenhum sentido, ou comprar uma vitamina que você nem precisa. Mais uma coisa que lembrei foi o transporte público, ter a possibilidade de pegar um ônibus e se locomover pela cidade parece interessante, porém não recomendo nos dias de pique, apesar de que para nós, meros mortais desprovidos de dinheiro não temos muito a opção de não pegar o ônibus, mas pelo menos agora existe o Uber que pode quebrar o galho de vez em quando. Drive Thru também é um negócio que eu achava interessante, poder fazer o seu pedido e pegá-lo sem precisa sair do carro, além de claro ter acesso a todos os fast foods mais conhecidos do mundo, é um mix de adrenalina você pegar a sua bandeja escrita Giraffas(é pois é, a minha primeira não foi McDonald’s) e saborear aquele gostinho de junk food e se sentir como um garoto da cidade, apesar de todas as sua raízes serem do interior. Pois, apesar de desfrutar de tudo isso, morria de vergonha de passar por essas experiências, portanto perguntar para o motorista do ônibus se aquela linha passava na frente de tal lugar era praticamente uma batalha a ser conquistada, comprar os ingressos do cinema pela máquina automática era de dar total medo, mas percebo que ainda há aqueles  preferem o modo old school porque eu sempre vejo que há uma fila para compra o ingressos nas cabines que contém atendentes, será que essas pessoas na fila são do interior também?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jogos de RPG das antigas

Os jovens dos 18 aos 23 anos só reclamam de não conseguir emprego

Ficar sozinho