A dor de quem ficou

Olá pessoas, como vocês estão?

Alguns dias atrás eu vi a reportagem da menina que foi se vacinar e colocou nome dos familiares dela no cartaz em que infelizmente faleceram para o COVID e aquilo me comoveu de uma forma muito forte, eu me simpatizei com ela por saber como é a dor de quem ficou.

Eu sinceramente queria escrever um ótimo texto para tentar expressar como é essa sensação de perder alguém muito próximo e perceber que todos os seus esforços, ou preocupação foram em vão, que não havia mais nada que eu poderia ter feito para retardar aquilo que estava para acontecer, a morte do meu melhor amigo bateu forte em mim, mesmo ele me preparando psicologicamente para o que viria acontecer um dia.

Photo by Žygimantas Dukauskas on Unsplash

Há tantas coisas que eu queria escrever aqui, eu até fiz um texto uma vez em uma outra plataforma sobre como foi a perda e talvez eu poste aqui um dia, mas a sensação da perda é um sentimento tão forte que fica difícil de explicar para quem nunca sentiu isso de forma tão intensa.

Comigo é um mistura de emoções, é a saudade gritando dentro de mim pedindo para que ele volte, suplicando para que tivéssemos mais uma última conversa em que pudéssemos contar as novidades, rir das nossas piadas e falar sobre a complexidade da vida, até hoje após 1 ano de sua morte, eu ainda fico pautando assuntos que eu gostaria de debater com ele, isso acontece de forma automática, contudo eu percebo que não é mais possível e portanto guardo apenas para mim.

A sensação que mais me quebra é de estar diante do seu túmulo, tocar aquele mármore com a sensação de que estou o tocando, de falar como se eu estivesse conversando de fato com ele, mas a verdade é que fica sensação de que estou tão perto e ao mesmo tempo tão longe, porque a conversa é apenas de uma via, eu não vou saber quais são as suas opiniões sobre o assunto e caramba, como eu sinto falta das suas opiniões!

O sentimento de falta é tão grande, que a momentos do dia que eu me pego pensando nele, falando dele, mas no fim fica apenas o vazio e para que isso não se transforme em um sentimento de perda, eu apenas abri espaço para o conformismo, ele (o conformismo) não é a melhor opção, porém é a melhor companhia que tenho até agora, pois ele é como eu, sabe e entende pelo que eu passei, mas não tem muitas palavras para confortar a situação e portanto fica ali, quieto e presente para demonstrar que ele não pode ser muito útil em trazer conforto, porém que será uma ótima companhia se precisar.

Os primeiros meses são difíceis, eu simplesmente começava a chorar do nada, ou as vezes porque eu via algo que estava relacionando a ele e a lembrança me despertava a vontade cair em lágrimas até me sentir seco. Depois de sua partida eu nunca me senti com tanta vontade de ficar sozinho, de querer o silêncio total comigo e fazê-lo dele o meu novo melhor amigo.

Por fim eu gostaria de escrever a minha indignação em saber que muitas pessoas parecem querer justificar as mortes, sério, isso me cansa de um jeito que não consigo ter forças para argumentar, muitas pessoas próximas a mim, sabendo que eu tive uma grande perda e que isso me afetou de uma forma tão grandiosa começaram a tentar justificar coisas como não houve tudo isso de morte, as pessoas precisam viver e sair na rua, já estava na hora de ele partir, tem mais pessoas morrendo de acidente de carro do que COVID e qualquer outra coisa ridícula para tentar justificar todas essas mortes.

Sinceramente, se você estiver lendo isso, você pode até ficar bravo comigo e eu honestamente não ligo, porque quando você abre a boca para falar, a única coisa que sinto é total desprezo, pessoas morreram e foram muitas, falar isso para alguém que perdeu uma pessoa é muito ser um ridículo (para não falar coisa pior), justificar mortes não ajuda em nada, não irá suprir a dor do vazio, não irá trazer ninguém de volta e não irá amenizar a dor, além de que só porque pessoas morrem de carro, ou de qualquer outra coisa não quer dizer que temos que normalizar esses números, era para ficarmos indignados e cobrar medidas para diminuir esses casos, mas no fim não, apenas cruzamos os braços e dizemos que é isso, não tem o que fazer.

Gente, eu ouvi tanta coisa ridícula que eu mesmo tive por um momento a vontade de simplesmente desaparecer para não ter que lidar com esse tipo de situação, ouvi coisas no nível de que as pessoas que não sobreviveram não são fortes o suficiente e portanto elas teriam que morrer mesmo, para mim é como se a vida daquela pessoa mais frágil não valesse nada.

Por fim e finalizo com as minhas condolências a você que perdeu alguém e espero realmente que você fique bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jogos de RPG das antigas

Parques de Diversões

Demolidor: O homem sem medo - HQ Marvel